sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Sou um Ser Inferior e um Bastardo Hipócrita: Eu Como Carne

Eu como carne.

Sim, eu sou um miserável hipócrita. Afago cães e gatos, acho cavalos e pôneis lindos, comento a beleza do gado roliço e vistoso nos pastos de Goiás - ainda mais agora na época das chuvas. Os campos estão verdes. A paisagem belíssima. E os animais, maravilhosos.
Mas eu como carne. Não sou apenas um hipócrita. Sou também um ser inferior.

Com a mais absoluta certeza desse mundo essa seria a opinião dos vegetarianos a meu respeito. Sem sombra de dúvidas me crucificariam ou arquiteriam algo de crueldade um pouco mais requintada.

Não, eu não vou colocar nenhuma justificativa ou qualquer elemento de defesa quanto aos meus hábitos alimentares. Reconheço minha hipocrisia e minha inferioridade, bem como meu tenebroso gosto por carne vermelha, carne branca... a cor não importa.

Porém eu tenho uma pergunta aos veganos, vegetarianos ou sei lá quais são as outras alcunhas dos seres superiores:

Com toda a minha ruindade, eu sou tão hipócrita/inferior em comparação com a enfermeira responsável por espancar um pequeno cão da raça Yorkshire até a morte?

Caso alguém ficou em uma caverna por tempo demais e não tem a menor ideia sobre o assunto, o caso é tão simples quanto triste. Uma enfermeira de 22 anos espancou o bichinho até a morte e chegou a fazer isso em frente ao próprio filho, uma criança de apenas dois anos de idade. Tudo bem. É notícia antiga certamente. Não devido ao fato de ter ocorrido e veiculado na mídia de outra era, mas devido a duas circunstâncias deveras interessantes nos dias de hoje: o que é dito/lido agora está obsoleto e gasto em apenas um segundo e a parca memória do brasileiro reforça a primeira afirmação.

Algumas referências - ainda desprovidas de detalhes sobre o caso - podem ser lidas no link a seguir. Também é possível conferir um vídeo com cenas nada bonitas de se ver. Uma certa cautela é recomendável quanto à execução do vídeo, principalmente, se crianças e pessoas mais sensíveis estiverem no recinto e isso inclui os seres superiores. Afinal, a hipocrisia em geral precisa ser mantida:


Como disse, não justifico minhas atitudes, ou a falta delas. Mas permito-me a justificar o motivo da pergunta realizada aos veganos, vegetarianos... seres superiores em geral.

Os hipócritas consumidores de carne como eu, não agridem animais gratuitamente. Em primeiro lugar, por não haver a mínima necessidade disso, e em segundo lugar, pelo fato de que alguém com o mínimo de discernimento consegue entender sobre o significado de ter um animal de estimação. Fácil de compreender: a pessoa não gosta de animais? Direito dela. É recomendável não tê-los em casa. Mais simples, impossível.
Em terceiro lugar está o fato de que, apesar de não ser nada nobre, o consumo de animais para alimentação é uma coisa. A agressão gratuita aos bichos é outra.
É, eu sei. Não há diferença, certo? Tudo bem. Para os seres superiores, o ato de sentar-se à mesa e comer carne, provavelmente é tão agressivo quanto ao que essa mulher fez.

A hipocrisia permite estender a reflexão ao ponto de acreditar sobre a atitude de ir saborear uma determinada refeição. Alguém já realizou o trabalho sujo de ter destruído a vida do animal. É tudo muito prático, conveniente e de uma acomodação assustadora. É uma hipocrisia de teor inenarrável. Mas ainda assim, ficam minhas dúvidas sobre os teores de crueldade.

Vamos ao açougue ou ao supermercado e tudo está lá, pronto para ser levado para casa. Ou então basta pedir, pagar e consumir na mesma hora, em qualquer cadeia de fast-food. Pronto. Mais uma vez o serviço sujo já foi executado. Basta aproveitar. De fato não deixa de ser uma atitude de uma crueldade terrível.

Sem sombra de dúvida os paralelos já estão quase consolidados na cabeça. Não é nada difícil imaginarmos sobre tudo ser desse jeito. É assim com as drogas, é assim com o tráfico internacional de armas, bebidas, diamantes, seja lá o que for. Alguém faz o serviço sujo pelo simples motivo de que, lá no final do fluxograma, alguém está pagando por tudo e recebendo o nefasto benefício, no auge do pódio de hipocrisia. É um sistema podre, realmente.

Convenhamos: se não existissem viciados, não haveria tráfico de drogas. Se não existissem usuários de pedras preciosas, não haveria tráfico de diamantes, se não houvessem consumidores de álcool, não haveria contrabando de bebidas. Se não houvessem políticos, máfia, países, criminosos, exércitos e sei lá mais o que, não haveriam vendas de armas, dentro ou fora da lei.

Se não houvessem os humanos, o mundo seria perfeito, talvez.

Mas, restringindo-me apenas ao foco do assunto tratado, se não houvessem os hipócritas consumidores de carne como eu, animais não seriam mortos. Faz sentido, não é mesmo? De fato faria, se a coisa toda não fosse um pouquinho mais complicada...
Imaginemos por um momento o desaparecimento, por mágica, de todos os seres inferiores do planeta como eu. Em tal hipotética situação, os seres superiores iriam vibrar. No entanto, estariam ainda bem longe da solução de seus problemas. Infelizmente.

Vejamos:
- Os rodeios são práticas de agressão gratuita aos animais, para puro entretenimento, sem qualquer benefício direto para os espectadores do evento. Mais interessante, é o fato da prática ser legalizada e considerada, às vezes, um "esporte". Os rodeios acontecem em praticamente todos os países ocidentais e na Europa, as touradas e outros eventos envolvendo a crueldade aos animais são bem conhecidas e bizarramente toleradas pelos governos.

- As brigas de galo em nosso glorioso país não são reconhecidas nem legalizadas, mas elas acontecem. E assim como rodeios, são eventos de entretenimento mórbido. Fomentam uma verdadeira indústria equivalente aos jogos de azar. Afinal de contas, apostas - muitas vezes altas - são realizadas em verdadeiros torneios de longa duração praticados em diversas cidades em vários estados diferentes.

- Os laboratórios farmacêuticos e demais centros de pesquisa utilizam animais para todo tipo de experiências possíveis e imaginárias. Recentemente, uma entidade norte-americana de proteção aos cães da raça "Beagle" resgatou alguns cães adultos, mantidos em cativeiro para experiências envolvendo o desenvolvimento de cosméticos. Cosméticos. Não remédios. Os bichinhos jamais tiveram contato com a luz do sol e suas patas nunca haviam tocado um solo natural. A dieta dos animais era constituída de alimentos repletos de substâncias condizentes a processos de metabolismo os quais poderiam facilitar a leitura de resultados a serem obtidos a partir da ingestão de substâncias especialmente projetadas para os testes. Só após longos 10 minutos, depois da equipe de resgate chegar em um parque e posicionar as gaiolas no chão, o primeiro cãozinho teve coragem suficiente para sair de seu pequeno espaço de confinamento.

- Em certos países onde a densidade demográfica é absurdamente alta e a falta de alimentos é uma realidade muito mais tenebrosa quando comparada aos lugares onde parcos programas de alimentação são empurrados goela abaixo da população; (leia-se "Fome Zero", que de zero teve justamente sua eficiência), tudo o que se move é considerado comida. Isso inclui roedores e insetos. É assim na China, na Índia, no Laos, no Vietnam e em vários países do continente africano. Nesses caso, não se trata de hipocrisia. Trata-se de necessidade mesmo. Enquanto discorro sobre o assunto sem a menor base de defesa a favor do meu ser, alguém está morrendo de fome nesse exato momento na Coréia do Norte e só Deus sabe mais onde.

Sim, sou um bastardo cruel. Não há dúvidas quanto à isso. E também não há como dizer algo sobre haver alguma justificativa quando diferentes teores de crueldade são colocados em questão. Via de regra, uma crueldade não se difere de outra. O ato de ser cruel com algo ou alguém é igual ao ato de ser cruel com vários "algos" ou "alguéns".

Não vou estender a questão ao ponto de colocar em cheque algumas práticas de comportamento de certos espécimes dos seres superiores. Apenas posso dizer sobre o quanto é estranho quando alguns veganos e vegetarianos consomem determinadas substâncias ilícitas. Alguns cheiram cocaína e outros fumam maconha, coisas que eu nunca fiz na minha vida e não tenho intenção alguma de fazer.

Mas certamente são pessoas melhores do que eu.

Não comem carne.

E.Moraz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário